BlackBerry se recusa a desistir

0
158
Mês passado a BlackBerry anunciou que lançaria dois novos smartphones em 2018. Foto: Raquel Beauchamp; Prop styling: Dianna McDougall

A pioneira do smartphone está decidida a voltar

Em 20 de outubro de 2011, a secretária de Estado Hillary Clinton estava a bordo de um avião militar C-17 Globemaster para a Líbia. Enquanto aguardava a decolagem, Clinton – vestindo um par de óculos de sol escuros – começou a digitar em seu smartphone, seu rosto mostrava determinação. Alerta a um momento icônico, um fotógrafo da Reuters clicou uma foto. E a mídia nacional e internacional usaram a foto que inspirou um Tumblr satírico chamado Texts From Hillary. Anos depois, tornou-se um estopim em uma investigação que revelou que a Secretária de Estado estava usando um endereço de e-mail privado para negócios do governo. Essa controvérsia, como sabemos, ajudou a dirigir uma eleição.

Quase esquecido agora é o telefone nessa fotografia – um BlackBerry. E, bem como a Sra. Clinton, tem uma história de vitória e derrota própria. Pouco antes da foto famosa, a BlackBerry comandava 20% do mercado de smartphones. No final de 2016, de acordo com a Gartner Research, essa parcela havia caído para 0,4827 por cento, efetivamente, zero.

A foto de Hillary Clinton digitando em seu Blackberry (parte superior esquerda) tornou-se um meme da internet do dia pra noite, mas o BlackBerry já era famoso, começando com seu modelo pioneiro 5810 (abaixo) e os muitos smartphones subseqüentes que construíram sobre ele. Infelizmente, nenhum deles foi uma ameaça para a Apple: no dia 9 de janeiro de 2007, o CEO da Apple, Steve Jobs, tomou o palco do Moscone Center de São Francisco (superior direito) para estrear o iPhone, anunciando que sua empresa estava prestes a “reinventar o telefone”. “Clinton: Kevin Lamarque / AFP / Getty Images; Emprego: David Paul Morris / Getty Images

Mas antes de achar que a BlackBerry morreu, considere isso: no mês passado, a TCL Communications – a empresa de tecnologia que assumiu a fabricação de celulares da BlackBerry em 2016 – anunciou dois novos modelos para 2018. “Nossos clientes estão procurando um smartphone elegante e moderno” disse o diretor associado de comunicações globais Jason Gerdon. “E, claro, nós temos nossos fantásticos recursos de segurança e privacidade da BlackBerry.” Hoje em dia, a marca BlackBerry é uma empresa de sucesso com foco na segurança cibernética. Mas será o fim do negócio de smartphones?

A empresa que se tornaria BlackBerry começou em 1985 como Research in Motion (RIM). Nos primeiros anos, a empresa de tecnologia canadense ficou restrita a pagers. A grande mudança chegou em 2002, quando a RIM apresentou o BlackBerry 5810, um dispositivo portátil que combinava os recursos de um celular com um minúsculo teclado que habilitava a navegação por e-mail e na web. Depois disso, o mundo nunca foi o mesmo. Dentro de um ano, a série 7200 do BlackBerry produziu o termo “CrackBerry”, um apelido atraente (se um pouco insípido) que revelou a rapidez com que os americanos se tornaram dependentes do novo dispositivo.

O teclado: a parte mais identificável do BlackBerry, este teclado de botão minúsculo era uma ponte do analógico para o digital por milhões, e ainda é uma marca registrada. A tela: introduzida no ano passado, a KEYone do BlackBerry possui uma tela LCD IPS cujos 433 pixels por polegada realmente superam a resolução do iPhone da Apple 6. A câmera: BlackBerrys veio com câmeras começando com a câmera de 1,3 megapixel de 8100 em 2006, mas a KEYone possui 12 mexapixels e um flash dual-tone.
Raquel Beauchamp; Prop styling: Dianna McDougall

Em 2007, a BlackBerry adicionou uma câmera embutida e uma tela colorida. Ela tinha sido pioneira no segmento de smartphones e parecia estar pronto para governá-lo – pelo menos, até que Steve Jobs tomasse o palco no Macworld e puxou este novo chamado de iPhone de seu bolso. “Hoje, a Apple vai reinventar o telefone”, anunciou.

Em 2001, a RIM contratou o Lexicon Branding em Sausalito, Califórnia, para apresentar um nome cativante para seus novos dispositivos portáteis. Alguém na empresa observou que os pequenos botões do teclado se assemelhavam aos buracos – chamados drupeleiros – em uma amora. O nome da fruta de esconderijo presa. Em 2013, a RIM mudou seu nome corporativo para o BlackBerry também.

E a Apple o fez. Com seu navegador web completo, um teclado de tela sensível ao toque e, mais significativamente, seus aplicativos para download, o iPhone expandiu o universo dos smartphones da maneira como o Big Bang expandiu o atual. De acordo com o consultor de marketing David Deal, a divisão resultante foi a definição. “A Blackberry obteve a população usando-o para email, texto e navegação”, disse ele. “A Apple nos ajudou a entender como o telefone poderia ser um dispositivo de estilo de vida”.

A BlackBerry mudou para o sistema operacional Android em 2015, abrindo o telefone para o mundo dos aplicativos, mas já era tarde demais. Agora, o teste é se a TCL pode encontrar fãs de hardcore suficientes para dar vida e mercado a seus modelos. E quem poderiam ser esses fãs? Pessoas que não têm tempo para jogos e insistem em sua privacidade, como executivos de empresas e membros do governo.

O que nos leva de volta a essa foto de 2011, que Deal diz “resume a marca do BlackBerry. [Hillary’s] obviamente, não joga jogos, e ela não está se divertindo. Ela é a secretária de estado, e ela está fazendo o trabalho. O iPhone é para se divertir. O BlackBerry é um telefone que você usa para fazer as coisas “.

Artigo via: http://www.adweek.com/brand-marketing/blackberry-refuses-to-give-up/

 

PROTECTPHONE e PROTECTSOFTWARE parceiros do BlackBerry Brasil, trazendo notícias sobre aparelhos e softwares para os leitores.